Ministério da Saúde e Imprensa preocupados com cuidados primários

No âmbito da realização do Fórum Nacional sobre os Cuidados da Saúde, o Ministério da Saúde promoveu, ontem, um encontro com a Imprensa denominado ‘’Pequeno Almoço’’, para trocarem informações sobre este importante evento que visa gerar compromisso de atores nacionais e internacionais relativos às necessidades do progresso da saúde da população. 

Ao presidir a cerimónia de abertura dos trabalhos, o ministro da Saúde Pública disse que os resultados da reunião do Fórum Nacional sobre os cuidados primários da Saúde devem ser transformados em ações bem estruturadas capazes de tornar o Sistema de Saúde mais resiliente.

Dionísio Cumba considerou que a reunião do Fórum Nacional reveste-se de capital importância na medida em que vão ser discutidos a fundo, assuntos ligados aos cuidados primários da saúde e suas implicações nas comunidades.

Cumba reconheceu que a precariedade do sistema de saúde é a razão pela qual o acesso a saúde é muito deficitário e não consegue cobrir toda população. 

Demonstrou o quanto sua instituição, com o apoio coordenado dos parceiros, tem vindo a lutar, durante anos, na constituição de um sistema de saúde forte e robusto.

Cumba acrescentou que a troca de impressão com os seus parceiros presentes naquela sala irá apetrechar o sistema de saúde com capacidade resposta, sobretudo a nível da saúde materna infantil.

Para ele, devemos dar prioridade a saúde materna infantil, porque é ali que a vida se inicia.   

De salientar que, uma das maiores riquezas de qualquer nações é a população. Assim, o primeiro passo na Guiné-Bissau vai ser o de investir em cuidados preventivos e no acesso precoce a cuidados de saúde de qualidade próximos às pessoas nas comunidades. Para recentrar esta prioridade, o Governo e o Sistemas das Nações Unidas, com apoio dos parceiros nacionais e internacionais vai organizar, de 6 a 8 de fevereiro, o Fórum Nacional sobre os Cuidados Primários de Saúde, sob o lema “Unidos pela saúde e pelo bem-estar da população na Guiné-Bissau”.

Julciano Baldé 

About The Author

Deixe um comentário