Guiné-Bissau empata com Sudão e tem objetivo ameaçado

Os Djurtus perderam a oportunidade de registar a sua primeira vitória numa fase final do Campeonato Africano das Nações ao empatar, ontem, dia 11, com o Sudão a zero golos, após uma grande penalidade mal executada e disperdiçada por Pelé ao minuto 79, tornando o objetivo da Seleção nacional muito mais difícil de atingir - oitavos-de-final.

O selecionador Baciro Candé teve seis baixas para este jogo, das quais três são e seriam titulares indiscutíveis (Jonas, Nanu e Alfa Semedo) que testaram positivos à Covid-19 e para os seus respetivos lugares entraram no onze Maurice Gomis, Jeferson e Pelé.

A Guiné-Bissau esteve mais perto da vitória, mas a linha ofensiva foi bastante ineficaz para a concretização das oportunidades tidas.

Na primeira parte, a única grande ocasião de golo surgiu aos 16 minutos. Joseph Mendi podia ter inaugurado o marcador nesse instante, mas atirou de cabeça para o poste direito do guarda-redes sudanês, terminando essa etapa de jogo em branco (0-0).

O grande deaiquilibrador dos Djurtus, Piqueti Djassi, assim como Mama Baldé esteveram desinspirados nas suas tentativas de imprimir ataques rápidos à baliza contrária. Moreto Cassamá era o organizador das ofensivas da turna nacional enquanto a barra defensiva esteve no seu melhor momento e com menos problemas de travar o adversário.

Sucesso nas alterações

As substituições do mister Candé na segunda parte deram alguma dinâmica ofensiva à equipa. Saíram Mama Baldé e Joseph Mendi, respetivamente e entraram Stive Ambri e Frédéric Mendy. Os dois últimos foram protagonistas da partida.

Aos 78 minutos, o passe milimétrico de Moreto isolou Ambri mas este foi travado em falta pelo guarda-redes dentro da área. O árbitro não hesitou em assinalar a grande penalidade a favor dos Djurtus e, na sua conversão, Pelé partiu mal para a bola e atirou fraquinho e de forma denunciada para a defesa incompleta do guardião do Sudão e, na recarga Piqueti atirou à trave da baliza.

Após o jogo, o selecionador disse acreditar que há possibilidades ainda de os Djurtus se qualificarem para a fase seguinte, tendo como adversários o Egito, no dia 15, e Nigéria no dia 19.

Desculpas de Pelé

Na sua página oficial das redes sociais, Pelé pediu desculpas à equipa e aos guineenses em geral pelo falhanço do pênalti.

"Sinto-me que deixei uma nação guineense que depende muito do futebol para ter alegrias. Sabia que uma responsabilidade enorme estava nos meus pés e era um momento de a Guiné-Bissau fazer a história. Fui sempre bom a bater as grandes penalidades, mas desta vez não consegui. Por isso, a única coisa que posso dizer é desculpas", lê-se na publicação do atleta.

Aliu Baldé, enviado especial

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *