Chefe de Estado diz que não tem cultura de violência

O Presidente da República, Umaro Sissoco Embaló, afirmou que a Guiné-Bissau não tem cultura de rapto e muito menos espancamento de jornalistas seja como for é de lamentar, mas de certeza temos um grupo de “bandidos” que pensam que podem desestabilizar o país.

Após audiência concedida ao representante especial do Secretário-Geral das Nações Unidas, Mohamed Ibn Chambas, na sexta-feira passada, dia 19 do mês em curso, o Chefe de Estado disse que ninguém pode desestabilizar este país e que fique claro, se alguém tentar desta vez ninguém vai conseguir sair fora do território nacional.

“A Guiné-Bissau já está cansada de ser perturbada por um grupo de cinco ou seis pessoas. A campanha eleitoral já acabou e o Presidente da República para os próximos cinco anos é eu Umaro Sissoco Embaló. Vou sair daqui só quando Deus quiser”, advertiu.

Disse ainda que um dos seus seguranças está a ser acusado de espancar jornalista, segundo Embaló as tais acusações não correspondem a verdade, porque no dia em que isso aconteceu o segurança em causa estava com ele em Dacar, isto é só para ver como as pessoas são especialistas em matéria de manipulação e intriga tendo informado que não tem cultura de violência.

“Ouvi as declarações do deputado Marciano Indi, segundo as quais viu um carro da presidência a frente da sua casa, portanto, é um assunto de lamentar, o Marciano não sabe que a presidência da República não tem carros a não ser os meus carros pessoais, isto é só para ver nível de irresponsabilidade das pessoas. Será que alegados carros que foram a sua casa estava com matrícula de carros da presidência?”, questionou.

O Chefe de Estado disse que remeteu este tempo todo em silencio, assistindo as pessoas a andarem a fazer teatros. “A cobra ao entrar na cova entra com cabeça ao sair também sai da mesma maneira, mas estou a espera que a cobra apresente a cabeça, aí sim as pessoas vão saber que há macho no país”.

Umaro Sissoco Embaló, disse que há dias recebeu pedido de alguns países que manifestaram interesse em abrir embaixadas na Guiné-Bissau e isso deve ser motivo de orgulho de todos, porque há vinte anos nunca chegamos esse resultado, mas existem pessoas que estão a trabalhar para contrariar esses esforços diplomáticos e políticos das autoridades.

Congratulação

O Presidente da República felicitou o representante especial do Secretário-Geral das Nações Unidas Mohamed Ibn Chambas pelo trabalho que tem vindo a fazer para o país, sobretudo, o processo de estabilização.

Por sua vez, Mohamed Ibn Chambas disse que ficou muito grato pela recção que lhe foi reservada pelo Chefe de Estado.

O diplomata disse que as mudanças que estão a ser feitas ao longo desse tempo mostram que o país está a acrescer, facto que levou-lhe a enaltecer o desempenho do Chefe de Estado.

“Sempre estivemos aqui para ver o que é possível fazer para transformar e ajudar a Guiné-Bissau, nesse âmbito que vou lhe garantir que terá apoio total das Nações Unidas para trabalhar e ajudar na estabilização do país. Também vão apoiar o Governo para criar um quadro estável da democracia e construir a harmonia entre os guineenses”, manifestou.

De salientar que no mesmo dia General Sissoco Embaló recebeu em audiência o presidente honorário da ONG ROPPA e pouco depois conferiu posse aos novos conselheiros do palácio presidencial.

Textos e foto: Alfredo Saminanco

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *