2 Abril 2020

FACEBOOK: Dados de 87 milhões de utentes de Facebook possivelmente usados

Facebook continua na tormenta com o escândalo do "desvio" de dados pessoais pela firma britânica Cambridge Analytica. A direcção da conhecida rede social admitiu ontem que os dados de 87 milhões de utentes poderão ter sido usados, ou seja mais do que os 50 milhões inicialmente anunciados.
"Penso que a vida é aprender com os erros" disse afirmou numa conferência de imprensa Mark Zuckerberg, o presidente e fundador da célebre rede social ao admitir que a Cambridge Analytica poderá ter acedido não "apenas" aos dados de 50 milhões de utentes, mas sim 87 milhões, essencialmente nos Estados Unidos. Ao comprometer-se a "actuar melhor no futuro", o jovem dirigente de 33 anos considerou ainda "continuar a ser a melhor pessoa para dirigir Facebook". A rede social tem estado a atravessar a sua mais grave crise desde meados do mês passado quando foi revelado o "desvio" dos dados pessoais de milhões de utentes pela Cambridge Analytica, operador britânico de análise de dados que trabalhou na campanha eleitoral de Donald Trump mas que nega ter utilizado os referidos dados no propósito de influenciar as presidenciais americanas de Novembro de 2016. Desde há quase um mês, Facebook perdeu mais de 80 bilhões de Dólares de valorização na bolsa, contudo Zuckerberg tende a desdramatizar a situação referindo não ter constatado "consequências significativas" sobre a utilização da rede social nem das suas receitas publicitárias. Zuckerberg confirmou também que na próxima semana, nos dias 10 e 11 de Abril, vai prestar depoimento perante comissões parlamentares. Desde o começo do escândalo, vários eleitos do Congresso americano têm exigido explicações por parte do dirigente de Facebook.